Secagem de madeira

O emprego de tecnologia adequada para a secagem da madeira é fundamental para o sucesso em processos de tratamento preservativo, viabilizando o uso correto e duradouro da matéria-prima na construção civil, na fabricação de postes, dormentes e mourões, entre outras finalidades.

  A secagem da madeira é um processo complexo em função das características específicas do próprio material. Tem início no momento da colheita arbórea, quando os teores de umidade costumam assumir valores maiores do que 100% na base seca.

 Para compreender o mecanismo de secagem da madeira, é necessário entender as duas formas como a água se distribui no seu interior:

  • Água livre: preenche o vazio das células vegetais (lumens) e recebe essa designação porque não está ligada à madeira por forças de natureza química ou física;
  • Água de ligação: também conhecida como higroscópica, encontra-se no interior da parede celular, geralmente formando pontes de hidrogênio com os polímeros naturais que a constituem.

 Após a colheita da árvore, a madeira vai perdendo água livre para o meio ambiente, até que o lúmen das células fique completamente vazio, situação conhecida como ponto de saturação das fibras (p.s.f.). Esse ponto de saturação ocorre entre 25% e 30% de umidade. A secagem da madeira busca o equilíbrio de umidade com o meio ambiente. Durante esse período de perda de água livre, a madeira não apresenta qualquer tipo de variação dimensional.

Entretanto, abaixo do ponto de saturação das fibras, continuando o processo de secagem, começa a perda da água de ligação, acompanhada de contração da madeira, que continua até 0% de umidade.

Basta a madeira ser colocada em ambiente de maior umidade relativa para que o processo se reverta, podendo inchar até chegar ao ponto de saturação das fibras. Trata-se de um processo dinâmico, de troca de moléculas de água entre a madeira e o meio ambiente, até atingir um ponto de equilíbrio. Pode-se dizer que a umidade de equilíbrio da madeira corresponde a 20% da umidade relativa do ar, ou seja:

 Ue =  Ur /5, onde:

Ue = umidade de equilíbrio da madeira

Ur = umidade relativa do ar.

Uma peça de madeira colocada num ambiente com 60% de umidade relativa, no equilíbrio terá um teor de umidade aproximadamente igual a 60/5, o que corresponde a 12%.

Importância da Secagem de Madeira

  Pode-se obter ganhos importantes na qualidade da madeira com a secagem correta:

  • A perda de água reduz peso de um carregamento de madeira e, como consequência, o custo do frete;
  • Abaixo do ponto de saturação das fibras, a madeira torna-se mais resistente à ação de fungos e de alguns insetos;
  • Diminui a ocorrência de falhas como empenamentos e fendilhamentos, decorrentes da utilização de madeira com teores de umidade inferiores ao ponto de saturação das fibras, faixa em que ela sofre variações dimensionais. Algumas espécies, sobretudo as que apresentam elevado coeficiente de retratibilidade volumétrica, sofrem variações com maior intensidade;
  • Abaixo do ponto de saturação das fibras ocorre um aumento das propriedades mecânicas das madeiras, melhorando a fixação de conectores como pregos, parafusos e conectores do tipo “gang-nail”;
  • Para a impregnação industrial da madeira, é fundamental que esteja abaixo do ponto de saturação das fibras, para que existam espaços internos a serem preenchidos pela solução preservativa;
  • Para a colagem das peças é necessário que a madeira esteja abaixo do ponto de saturação as fibras, permitindo que ocorram as reações de fixação. Normalmente, os fabricantes de colas costumam indicar quais os teores máximos de umidade para a obtenção de uma colagem aceitável.

 Determinação do teor de umidade da madeira:

 Em laboratório – É necessária uma estufa de secagem em laboratório, uma balança analítica compatível com a massa da amostra de madeira, além de um dessecador para o transporte da madeira entre a estufa e o local de pesagem e vice-versa.

Deve-se registrar a pesagem inicial da madeira como “peso verde” (Pv ). Em seguida , coloca-se a madeira na estufa a 102° C, até que a diferença entre duas pesagens consecutivas seja muito próxima de zero. Deve-se anotar o valor dessa pesagem como “peso seco” (Ps ). Nessas condições:

                        U = Pu – Ps / Ps x 100

 

Esse teor de umidade, muito usado em tecnologia da madeira, é designado como “teor de umidade na base seca”. Apesar de ser uma metodologia inconteste quanto ao resultado obtido, apresenta algumas desvantagens: exigência de equipamento especial, pessoal especializado, longo tempo de execução e difícil de ser executado com um número mais significativo de amostras, por ser um ensaio destrutivo. Por isso seu uso fica mais restrito a trabalhos acadêmicos e à aferição de outros equipamentos.

 Com medidores elétricos – Estas medições baseiam-se nas variações das propriedades elétricas da madeira com a umidade. Há medidores elétricos de umidade dos seguintes tipos:

  • Resistência
  • Perda de Potência
  • Capacitivo

 Os medidores elétricos do tipo resistência são os mais comuns. Apresentam as seguintes vantagens:

Ø  Resultados imediatos;

Ø  Trabalho reduzido;

Ø  Maior amostragem;

Ø  Não destrutivo;

Ø  Há portáteis;

Ø  Acompanhamento da secagem..

 Também têm algumas desvantagens:

Ø  Menor precisão;

Ø  Utilização entre 5%-30% de umidade;

Ø  Necessita correções em função de temperatura e espécie da madeira;

Ø  Calibração constante.

 Acima de 30% de umidade esses aparelhos são muito imprecisos e sob essas condições o seu uso deve ser evitado. Apesar da simplicidade, alguns cuidados devem ser tomados com relação ao estado da bateria e à fixação dos cabos elétricos flexíveis. Os demais ajustes como calibração inicial, temperatura e variação de espécies geralmente são fornecidos pelos fabricantes.

Montana Química S.A.
Rua Ptolomeu, 674 | São Paulo - SP - CEP 04762-040 | Brasil
+55 11 3201 0200 - enviar e-mail
Montana / Ground15 - Todos os direitos reservados